quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Esfinge


Feito loba
uivo para a lua,
meus poros farejam
tua carne crua.
Meu desejo saliva
ao ver-te acuado
com teus versos
escapando entre os dedos.
Decifra-me
ou te devoro...
Apressa-te
o dia não tarda raiar.

Um comentário:

  1. Maravilha de poesia. Totalmente dominadora e extasiante. Parabéns, amiga Rose.

    ResponderExcluir